No Dia Mundial da Visão, a Biblioteca Central alerta sobre a cegueira

em
0
203
visualizações

A saúde da visão é vital para a qualidade de vida das pessoas nas atividades do dia-a-dia, uma vez que este órgão é responsável por um dos principais sentidos do ser humano e sua perda requer o enfrentamento de diversos obstáculos na sociedade. Pensando nisso, o Espaço Braille da Biblioteca Central, da Universidade Federal do Pará (BC/UFPA), vem chamar atenção para o Dia Mundial da Visão, o qual foi criado pela Organização Mundial da Saúde, e é comemorado anualmente na segunda quinta-feira do mês de outubro. O objetivo de sua criação está voltado à conscientização sobre os cuidados da saúde dos olhos para evitar a cegueira e a deficiência visual.

Os cuidados da saúde ocular previnem doenças graves como o glaucoma, que é considerado uma das principais causas da cegueira. E, com o intuito de reforçar a importância de sua prevenção, esta data é dedicada para alertar as pessoas sobre as causas da doença e outros problemas que afetam a visão levando à deficiência visual.

Nesse sentido, a fim de proporcionar maiores esclarecimentos sobre a prevenção dos problemas na visão, especialmente no que diz respeito à cegueira, a médica oftalmologista Raíssa Casseb, que atua como chefe da Unidade da Visão, no Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS), da UFPA, o qual é referência na especialidade de oftalmologia no Pará, explica que “a cegueira é uma condição caracterizada pela perda da habilidade de enxergar, podendo ser reversível ou irreversível”. Para identificar os primeiros sinais da doença, a oftalmologista esclarece que “existem alguns sinais que podem anteceder a cegueira: visão nublada; a incapacidade de ver formas; ver apenas sombras; visão noturna ruim e “visão de túnel”.

É importante salientar que muitos casos de cegueira podem ser evitados se a pessoa receber um tratamento precoce logo ao sentir os primeiros sintomas. No entanto, a médica Raíssa enfatiza a importância da consulta de rotina com um profissional oftalmologista e faz o alerta: “Não espere os sintomas para procurar um médico oftalmologista. O ideal é a consulta preventiva uma vez ao ano. É importante sempre realizar com regularidade as consultas oftalmológicas, pois o diagnóstico precoce diminui os riscos de avanço de determinadas doenças. Muitas enfermidades têm apresentação silenciosa e inicialmente não causam sintomas”, frisa a especialista.

No que tange à essa questão, são imprescindíveis ações de educação e conscientização das pessoas quanto aos cuidados da visão, bem como políticas públicas que facilitem o acesso da população a consultas oftalmológicas, uma vez que é fundamental a promoção da saúde de forma preventiva.

A médica destaca também os cuidados essenciais para prevenir doenças graves da visão ressaltando que “a saúde dos olhos merece a mesma atenção que qualquer outra parte do corpo”.  Assim, elucida que uma alimentação rica em proteínas, vitaminas e sais minerais influencia na saúde dos olhos: “Além das consultas regulares, ter hábitos saudáveis é imperioso. Ingestão de alimentos benéficos aos olhos, como ovos, peixes, verduras e frutas, que são alimentos com ação antioxidante. Além da proteção dos olhos contra os raios solares, com lentes de qualidade”.

Segundo a oftalmologista Raíssa, é imprescindível a orientação de um médico especialista dos olhos, independentemente de quaisquer cuidados preventivos acima citados. Logo finaliza reforçando: “Ainda assim, a única forma de comprovar que não existe nenhum problema em seus olhos é realizar consulta com um oftalmologista”.

Como forma de contribuir para a maximização do conhecimento sobre a relevância da saúde da visão, diversas instituições promovem iniciativas em alusão à esta data a fim de divulgar sobre a prevenção de problemas que atingem a visão das pessoas e acerca do tratamento das doenças relacionadas.

Portanto, considerando que muitas pessoas vivem com deficiência ocular e lutam pela acessibilidade aos direitos básicos que todo cidadão deve usufruir, é essencial que a Biblioteca, como entidade democrática, esteja engajada na vertente da inclusão, disseminando informações e compartilhando conhecimentos em prol de uma sociedade igualitária.

Espaço Braille/Biblioteca Central/UFPA