Conheça o Setor de Obras Raras da Biblioteca Central

em
722
visualizações

Localizado no segundo andar da Biblioteca Central, o Setor de Obras Raras foi criado para reunir em um só espaço coleções raras e antigas, que foram doadas e adquiridas pela Biblioteca, muitas delas de autores famosos. Para ser considerada uma Obra Rara, é preciso considerar o tempo e o espaço, sendo passível de várias interpretações quanto aos valores intrínsecos e bibliográficos, o que deixa, portanto, de ser absoluto. Diante deste contexto, dentro das bibliotecas públicas e inclusive na Biblioteca Central/UFPA a idade cronológica pode ser um fator relevante dentre os critérios de seleção, mas não necessariamente podem ser considerados raros somente por serem antigos.

É preciso também reconhecer na obra as suas possibilidades de uso, ou seja, a obra poderá ser antiga, mas o valor desta nada tem a ver com sua idade, o que torna uma obra valiosa é a procura que ela apresenta. Outros são os critérios levados em consideração no setor de obras raras, que são: assunto da obra, aspectos históricos e tiragem. A sua tiragem pode representar um critério relevante pelo fato da mesma ter tido pouca tiragem o que a torna mais difícil de ser encontrada, visando sempre o fato desta obra possuir em seu conteúdo uma grande importância histórica. Outro fator importante também para as coleções de obras raras são as coleções especiais que são as obras particulares de grandes nomes do local onde esta biblioteca se localiza, tais como: antigos professores e pesquisadores.

O acervo possui 1.657 e 2.404 exemplares e entre seus destaques estão Hiléia Amazônica de Gastão Cruls e o Álbum do Pará. As obras não podem ser emprestadas aos usuários devido seu valor histórico e também pela sua conservação, já que são materiais muito antigos que podem sofrer algum tipo de alteração pelo seu manuseio inadequado. A pesquisa é permitida in loco e pode ser fotografada.

Alguns dos autores presentes nas Obras Raras são Gastão Cruls com sua obra Hiléia Amazônica, Antônio Lemos com o Município de Belém, Domingos Antônio Rayol com Motins Políticos, João de Palma Muniz e Índice Geral dos Registros de Terras, Johan Batist Von Spix, Teodor Koch, Von Martius. E dentre os manuscritos guardados no cofre da Biblioteca Central, destacam-se: Cartas particulares de Karl Friedrich Von Martius, escritas em alemão em um total de 12 cartas, de 1821 à 1858; Cartas particulares de Dr. Theodor Koch-Grünberg (1904); O diário particular do Dr. Jayme Cardoso, Ex-Embaixador do Brasil na Itália, constituído por 63 cadernos e os Diálogos de platão, em 6 volumes, única tradução em Língua Portuguesa feita diretamente do grego, pelo filósofo Carlos Alberto Nunes, estruturada em 14 volumes e editada pela UFPA.

Segundo Letícia Borges, uma das responsáveis pelo setor, o espaço é um polo irradiador de conhecimento e preservação de conhecimento, e importante por preservar e disponibilizar para pesquisa, informações que podem ajudar alunos, professores, pesquisadores e quem mais possa interessar em suas trajetórias acadêmicas, pois ele abriga documentos históricos, manuscritos, publicações esgotadas e artigos científicos, ou seja, o setor guarda obras de valor inquestionável para a história, ciência, literatura e as artes.

Curiosamente, o setor possui uma das obras mais antigas e também muito importante para a história e a ciência, que é a obra de Manoel Alvares, intitulada “História da creação do mundo conforme as ideas de Moizes e dos filozofos: ilustrada com hum novo sistema e com várias notas e dissertações”. Esta obra é datada de 1762 e está disponível para consulta no setor de “Obras Raras” da Biblioteca Central.

Para maiores informações visite o setor de Obras Raras ou entre em contato através do e-mail: ticiaborges@ufpa.br

ViaCoordenação de Planejamento e Marketing
COMPARTILHAR